As 7 lições de liderança do Papa Francisco

 

Muito além da religião, Francisco nos trouxe uma nova perspectiva de liderança, mostrando a cada dia com suas palavras e...

Leia mais...

ISTEN HOZOTT

Missão além-fronteiras, recebemos com alegria uma nota do jovem estudante Marco Antônio que está na Hungria, após dois anos de vivencia e aprendizado da língua ele retornará ao Brasil para completar seus estudo de Teologia. Que os nosso Santos Arnaldo e José Freinadmetz o abençoe sempre.

EM MISSÃO NA HUNGRIA

Marco Antônio de Miranda, SVD

Olá amigos do Brasil.

Já fazem quase dez meses que cheguei em missão na Hungria para a etapa do PFT (Processo de Formação Transcultural) e hoje partilho como está sendo essa experiência fantástica em terras magyares.

Se me perguntam a primeira coisa que senti quando cheguei por aqui posso responder que foi o frio. Cheguei no aeroporto de Budapest com uma temperatura de -7. Foi um pouco impactante, mas logo fui aquecido pela acolhida dos confrades que me aguardavam e diziam a saudação de acolhida húngara “ISTEN HOZOTT”, que quer dizer, “Deus te trouxe”. Algo muito legal da nossa comunidade é que é bem intercultural, pois somos 13 confrades na casa de 8 países diferentes. É como que um resumo da congregação em um lugar só.

Aqui vejo um campo propício de missão, estou muito animado e esperançoso. A recente história da Hungria é marcada pelas duas grandes guerras mundiais e, após isso, pelo comunismo que aqui dominou até o fim dos anos 80. A missão verbita aqui também foi afetada nesse período. Após a queda desse regime alguns verbitas húngaros que estavam espalhados pelo mundo voltaram para cá e nossa província foi se reconstruindo. Hoje nossos missionários tem um perfil jovem e trabalham com a animação missionária nas paróquias e escolas, com os jovens através dos “acampamentos missionários”, na espiritualidade com nossas casas de retiro e na questão social com o povo cigano.

O maior desafio nesse primeiro ano para mim está sendo a questão da língua. É uma língua bem diferente, a começar por não ter nenhuma língua próxima. Exige bastante estudo, dedicação e paciência. Desde fevereiro estudo a língua húngara em uma escola especializada no ensino para estrangeiros. Aqui em casa e com o povo de inicio improvisávamos na comunicação e tive a ajuda de meu diretor de PFT que sabe falar português e dos outros confrades que foram me ensinando as expressões básicas do húngaro. A fase mais difícil creio que tenha sido nos primeiros meses quando, já estudando, ainda não conseguia me comunicar bem. Tive um pouco de medo de não conseguir falar e me expressar. Essa fase já passou e é muito legal agora que já entendo muita coisa do húngaro, o Espírito Santo e a comunidade ajudam bastante.

Na questão do povo húngaro alguns paradigmas se quebraram, pois dizem que o povo europeu é muito “fechado”. Isso não percebi em totalidade com os húngaros, pois a questão é dar o primeiro passo nas relações interpessoais com o povo e as coisas vão acontecendo.

No que diz respeito a vida apostólica me animam muito as missões nas paróquias e os encontros com os jovens. Nesse aspecto destaco os acampamentos missionários que foram momentos muito legais ao longo do verão. Isso porque gosto muito de estar com a juventude e com a criançada. O trabalho com os jovens tem ajudado muito na prática do idioma e na motivação vocacional.

Os desafios, alegrias, vida comunitária e de oração que aqui vivencio também me ajudaram no crescimento espiritual e na confiança em Deus. No geral sinto que está sendo uma experiência única para mim. Uma coisa é se pensar em missão ad gentes estando no próprio país, no conforto de minha língua e cultura, mas estando em outro país a minha visão sobre a missão tem amadurecido muito. A missão nos surpreende e ultrapassa tudo aquilo que podemos pensar dela. Se me perguntam se está valendo a pena, respondo com as palavras do confrade pe. Manh Le:

“Não vale a pena, vale a galinha inteira”.

Um forte abraço.

32ª Semana do Migrante

19-06-2017 Notícias da Igreja

De dia 18 a 25 de junho, a Igreja no Brasil celebra a 32ª Semana do Migrante, com o tema: “Migração, biomas e bem viver”. O objetivo da semana, segundo o bispo referencial da Pastoral dos Refugiados, dom José Luiz Ferreira Salles, é anunciar, denunciar, refletir e construir uma nova relação do ser humano com a Mãe Terra. “Sabemos que é...

Leia Mais

Dia Mundial Contra o Trabalho Infantil

11-06-2017 Notícias da Igreja

Na segunda-feira, 12 de junho, foi o Dia Mundial Contra o Trabalho Infantil, dia de reflexão e incentivo às praticas de combate ao trabalho infantil. A Organização Internacional do Trabalho (OIT) quer combater o trabalho infantil em áreas de conflito e desastres.“Crianças entre os 11 e os 16 anos (por vezes até mais novas) são fechadas em plantações isoladas, onde...

Leia Mais

V Romaria da Juventude Verbita

10-06-2017 Notícias da congregação

Já começamos a todo vapor os trabalhos em preparação para a V Romaria da Juventude e Paróquias verbitas da Província Brasil Centro ao Santuário do Senhor Bom Jesus de Iguape.Celebraremos de maneira muito especial dois momentos marcantes na vida de todos os devotos, Missionários do verbo Divino e Missionários leigos, os 370 anos do achado da imagem do Bom Jesus...

Leia Mais