Fotos/fonte: forosocialpanamazonico.com

Entre os dias 28 de Abril e 01 de Maio aconteceu o VIII Fórum Social Panamazônico na cidade de Tarapoto – Peru.

O fórum contou com a participação, na sua maioria, com diversas delegações de diferentes movimentos sociais provenientes dos 9 países que englobam a Amazônia (Brasil, Peru, Bolívia, Colômbia, Equador, Venezuela, Guiana Francesa, Guiana e Suriname), mas também participaram pessoas de outros países sul americanos e também da Europa.

Como linha mestra abordou-se os impactos causados pelos grandes empreendimentos (especialmente os projetos de hidroelétricas, as petroleiras, madeireiras, agroindústrias e de mineração) nas comunidades tradicionais da Amazônia Pan-americana. Buscou-se soluções de enfrentamento ao modelo tradicional de desenvolvimento para a região, mas também para o continente como um todo, haja vista que hoje o modelo depredatório busca novas nomenclaturas, tais como desenvolvimento verde ou sustentável, mas que na verdade continua a desrespeitar a cultura e os direitos dos povos e da natureza, colocando em risco a sustentabilidade e autonomia dos povos, bem como provocando sérias intervenções climáticas.

O fórum serviu como um momento de resistência e de convocação a fazer frente a um modelo predatório, amparado muitas vezes pelos próprios governos intitulados de esquerda. O fórum serve como um modelo inspirador de se ter em mente que as lutas dos povos só terão efeitos quando estes estiverem devidamente articulados e mobilizados na busca por um ideal comum.

Em linhas gerais destacou-se pontos que entende-se pertinentes para um desenvolvimento inclusivo da região, dentre outros:

➢ Fazer com que os Estados se adequem à legislação internacional sobre o respeito aos direitos dos povos amazônicos e andinos;
➢ Rechaçar todo tipo de corrupção relacionada aos projetos de infraestrutura e exploração;
➢ Exigir o reconhecimento dos direitos coletivos, bem como a titulação de terras para as comunidades tradicionais;
➢ Reconhecer e fortalecer as identidades amazônicas e andinas;
➢ Exigir que os governos busquem soluções eficazes para deter a brusca mudança climática que provocam alterações na vida dos povos e culturas;
➢ Exigir que se pare todo tipo de violência que criminaliza as lideranças locais que lutam por seus direitos;
➢ Exigir a interrupção de todo tipo de discriminação de gênero.

No geral os participantes do fórum se comprometem com a busca por uma sociedade de paz em relação com a natureza, baseado nas diversas cosmovisões e diversidades presentes em nosso território.

OBSERVAÇÂO: Uma ressalva feita por uma liderança da Amazônia Brasileira: “Nas discussões dessa natureza, quando se trata de vulneráveis nesse contexto, temos em mente apenas os indígenas, quilombolas, ribeirinhos, entretanto esquecemos que as periferias dos centros urbanos há uma população muito vulnerável que é diretamente impactada por esses grandes projetos, e que nem sempre é lembrada em nossas mesas de discussões e que é preciso trazer à baila essa situação.” Como representantes da JUPIC – BRC participaram Ir. Domingos Groda e Jairo Godinho.

Irmão Jairo, svd

Fotos/fonte: forosocialpanamazonico.com

Fotos/fonte: forosocialpanamazonico.com

Irmão Domingo Groda meditando

Irmão Jairo Godinho

Paróquia N. Sra. de Fátima (Vila das Belezas): FAZENDO UMA CRIANÇA FELIZ NESTE NATAL

14-12-2018 Notícias da congregação

O Grupo Solidário Chama de Amor da Paróquia Nossa Senhora de Fátima, Vila das Belezas, SP, realizou mais uma vez sua campanha natalina neste domingo dia 10 de dezembro de 2018. Com o lema, “Faz uma criança sorrir neste Natal”, o grupo se movimentou para cadastrar as crianças do bairro para apadrinhamento desde início do mês de maio. Neste ano...

Leia Mais

Pastoral da Mobilidade Humana

07-12-2018 Notícias do Mundo

Fotos/Fonte: tveast.dk "Multidões cansadas e abatidas: gente sem raiz, sem pátria e sem destino, com o futuro incerto e inseguro. Multidões que erram pelas estradas do êxodo, do deserto, do exílio e da diáspora. Não como o Povo de Israel no Antigo Testamento, que ao menos nutria-se na travessia com o sonho da Terra Prometida; tampouco como as primeiras comunidades cristãs, que no caminho podiam-se...

Leia Mais

Papa Francisco: "Eu sou assim livre diante de Deus?"

06-12-2018 Notícias da Igreja

Comentando sobre o menino argentino que tomou a cena na Audiência Geral. O menino tem sete anos tem autismo e não fala. A espontaneidade e curiosidade do menino que quis verificar se o guarda suíço - estava vivo, e após a comprovação a sua vivacidade em circular espontaneamente  conquistou o Papa que fez um belo comentário espontâneo.    Fotos: vaticannews.va/pt https://youtu.be/qXEoCXYsnPg

Leia Mais