Enraizados na Palavra

Jo 4, 5-42 “Aquele que beber desta água que eu vou dar, esse nunca mais terá sede”

O texto de hoje, quase um capítulo inteiro, é tirado do Quarto Evangelho, e portanto, tem que ser interpretado levando em conta as características do Evangelho de João - entre eles, o uso de símbolos (pessoas, eventos, coisas e números) e de “mal-entendidos” para dar oportunidade para uma explicação mais profunda sobre a pessoa e missão de Jesus. O capítulo é tão denso, que é impossível fazer jus ao seu conteúdo em uma curta reflexão. O relato vem da Comunidade do Discípulo Amado, onde certamente havia muitos samaritanos, vistos como impuros pelo judaísmo oficial. Embora os Sinóticos desconheçam qualquer ministério de Jesus entre os samaritanos, a Samaria foi palco de um dos primeiros trabalhos missionários da Igreja primitiva (At 1, 8; 8, 1-25). Os samaritanos eram descendentes da mistura entre os Israelitas do Reino do Norte e os migrantes pagãos, que foram levados à Samaria pelos Assírios, depois da queda do Reino de Israel em 721 a.C. O segundo livro dos Reis conta que os Assírios deportaram uma grande parte da população de Israel e levaram para lá gente de cinco nações pagãs (2Rs 17, 1-6. 24-41).

Essas pessoas trouxeram a sua religião original, mas também adotaram o javismo como culto “ao Deus da terra”, formando assim uma religião com fortes traços de sincretismo. Os samaritanos aceitaram somente os cinco livros da Lei, rejeitando os profetas e toda a ênfase sobre o Templo de Jerusalém. Isso causou muito conflito com os Judeus, e no século antes de Jesus o Sumo Sacerdote de Jerusalém destruiu duas vezes o seu Templo no Monte Gazirim. Esse contexto histórico é essencial para entender o diálogo de Jesus com a mulher sobre os seus “cinco maridos”. Eles simbolizam os cinco Deuses dos povos que colonizaram Samaria e “aquele que você tem agora que não é seu marido” é o javismo sincretista dos samaritanos, pois “marido” é um símbolo profético para indicar Javé na sua relação com a sua esposa, o povo de Israel. O diálogo segue a técnica típica joanina do ‘mal-entendido” (o diálogo com Nicodemos também). Falando da água, a mulher entende somente água natural; mas Jesus se refere à sua revelação divina e ao Espírito Santo, água viva que será dada a quem aceita Jesus. Pode-se entendê-lo também como símbolo da água do batismo, que confere o Espírito Santo, e que é “uma fonte de água que jorra para a vida eterna” (v. 14). No debate sobre o local de adoração de Deus, Jesus demonstra que no Novo Israel (a Igreja) a localidade não importa, porque o culto nascerá do Espírito de Verdade. Diante dessa nova revelação, outros debates casuísticos perdem o seu sentido! Uma lição para hoje, quando perdemos tempo discutindo inutilmente se se deve cultuar Deus na sábado ou no domingo, deste ou daquele jeito! Frequentemente partimos do que nos divide, muitas vezes coisas absolutamente secundárias, em lugar de olhar ao que nos une. A mulher samaritana, diante do encontro com Jesus, torna-se missionária do seu próprio povo. A evangelizada torna-se evangelizadora. Não é possível encontrar-nos com a Vida Nova em Jesus sem que nos tornemos missionários - não proselitistas, angariando adeptos para a nossa confissão religiosa, mas missionários, alastrando a mensagem do Reino de Deus entre nós, na construção de um mundo onde todos “tenham a vida e a vida plenamente” (Jo 10,1 0). É importante não reduzir este texto a uma leitura moralizante - como se a mulher fosse da má fama, e agora se convertesse para uma vida regular! É muito mais profundo. Quem faz a experiência de intimidade com Jesus, a encarnação do Deus da vida, necessariamente entre em um processo de conversão, no seguimento do Mestre, e torna-se missionário da Boa Nova. Nunca cansemos nessa busca da água viva, pois só ela pode nos satisfazer. Peçamos com a mulher “Senhor, dá-nos essa água para que não tenha mais sede”. O texto mostra bem como a proposta de Jesus para os seus seguidores é inclusiva - a mulher representa os que são excluídos, por motivo de pobreza, gênero, raça ou religião. Jesus não aceita a exclusão de quem quer que seja. Até os discípulos se chocaram quando encontraram Jesus dialogando com a mulher, pois as suas cabeças ainda trabalharam com os conceitos de “puro e impuro”, de “eles e nós”. Jesus veio para acabar com essas divisões, muitas vezes criadas em nome da religião e de Deus, com consequencias desastrosas. O contato com a fonte de água viva nos impulsiona para a criação de comunidades alternativas, baseadas na vivência de solidariedade, paz e justiça, na dinâmica do Reino de Deus.

Tomaz Hughes SVD
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Formação Permanente com Leig@s Verbitas

07-07-2018 Notícias da congregação

  Nos dias 02-04 de julho, aconteceu em Suzano, na Casa Nazaré, a Formação Permanente. Aproveitando o Anodo Laicato na Igreja do Brasil foram convidados os Leigos e Leigas das nossas paróquias verbitas. No encontro foi aprofundada a reflexão sobre o Documento 105 da CNBB – “CRISTÃOS LEIGAS E LEIGOS NA IGREJA E NA SOCIEDADE” e Constituição Dogmática Sobre a Igreja...

Leia Mais

Capítulo Geral SVD

07-07-2018 Notícias da congregação

https://www.youtube.com/watch?v=Mljk3b_gK64&feature=youtu.be

Leia Mais

Novo Superior Geral da SVD

07-07-2018 Notícias da congregação

No dia 4 de julho de 2018, os capitulares da Congregação do Verbo Divino (SVD) reuniram-se no Centro Ad Gentes em Nemi, Itália, para o 18º Capítulo Geral, onde foi eleito Pe. PAULUS BUDI KLEDEN, SVD como o 12º Superior Geral da Congregação do Verbo Divino. Pe. Budi Kleden nasceu na Indonésia em 1965. Ele se entrou na Congregação...

Leia Mais