"Duas Colunas da Igreja"

1ª Leitura: Atos 12,1-11

     Leitura dos Atos dos Apóstolos
     Naqueles dias, o rei Herodes prendeu alguns membros da Igreja, para torturá-los. Mandou matar à espada Tiago, irmão de João. E, vendo que isso agradava aos judeus, mandou também prender a Pedro. Eram os dias dos Pães ázimos. Depois de prender Pedro, Herodes colocou-o na prisão, guardado por quatro grupos de soldados, com quatro soldados cada um. Herodes tinha a intenção de apresentá-lo ao povo, depois da festa da Páscoa. Enquanto Pedro era mantido na prisão, a Igreja rezava continuamente a Deus por ele. Herodes estava para apresentá-lo. Naquela mesma noite, Pedro dormia entre dois soldados, preso com duas correntes; e os guardas vigiavam a porta da prisão. Eis que apareceu o anjo do Senhor e uma luz iluminou a cela. O anjo tocou o ombro de Pedro, acordou-o e disse: "Levanta-te depressa!" As correntes caíram-lhe das mãos. O anjo continuou: "Coloca o cinto e calça tuas sandálias!" Pedro obedeceu e o anjo lhe disse: "Põe tua capa e vem comigo!" Pedro acompanhou-o, e não sabia que era realidade o que estava acontecendo por meio do anjo, pois pensava que aquilo era uma visão. Depois de passarem pela primeira e segunda guarda, chegaram ao portão de ferro que dava para a cidade. O portão abriu-se sozinho. Eles saíram, caminharam por uma rua e logo depois o anjo o deixou. Então Pedro caiu em si e disse: "Agora sei, de fato, que o Senhor enviou o seu anjo para me libertar do poder de Herodes e de tudo o que o povo judeu esperava!"
     Palavra do Senhor.
 

Salmo Responsorial: Sl 33(34),2-3.4-5.6-7.8-9 (R. 5)

     R. De todos os temores me livrou o Senhor Deus.

     Bendirei o Senhor Deus em todo o tempo, *
     Sseu louvor estará sempre em minha boca.
     Minha alma se gloria no Senhor; *
     Que ouçam os humildes e se alegrem! R.

        Comigo engrandecei ao Senhor Deus, *
        Exaltemos todos juntos o seu nome!
        Todas as vezes que o busquei, ele me ouviu, *
        E de todos os temores me livrou. R.

     Contemplai a sua face e alegrai-vos, *
     E vosso rosto não se cubra de vergonha!
     Este infeliz gritou a Deus, e foi ouvido, *
     E o Senhor o libertou de toda angústia. R.

        O anjo do Senhor vem acampar *
        Ao redor dos que o temem, e os salva.
        Provai e vede quão suave é o Senhor! *
        Feliz o homem que tem nele o seu refúgio! R.

 

 2ª Leitura: 2Tm 4,6-8.17-18

     Leitura da Segunda Carta de São Paulo a Timóteo.
     Caríssimo: Quanto a mim, eu já estou para ser derramado em sacrifício; aproxima-se o momento de minha partida. Combati o bom combate, completei a corrida, guardei a fé. Agora está reservada para mim a coroa da justiça, que o Senhor, justo juiz, me dará naquele dia; e não somente a mim, mas também a todos que esperam com amor a sua manifestação gloriosa. Mas o Senhor esteve a meu lado e me deu forças; ele fez com que a mensagem fosse anunciada por mim integralmente, e ouvida por todas as nações; e eu fui libertado da boca do leão. O Senhor me libertará de todo mal e me salvará para o seu Reino celeste. A ele a glória, pelos séculos dos séculos! Amém.
     Palavra do Senhor.
 

EVANGELHO: Mt 16,13-19 - "Tu és o Messias, o Filho do Deus vivo."

+ Proclamação do evangelho de Jesus Cristo segundo João
  Naquele tempo, Jesus foi à região de Cesareia de Filipe e ali perguntou aos seus discípulos: “Quem dizem os homens ser o Filho do Homem?” Eles responderam: “Alguns dizem que é João Batista; outros que é Elias; outros ainda, que é Jeremias ou algum dos profetas”. Então Jesus lhes perguntou: “E vós, quem dizeis que eu sou?” Simão Pedro respondeu: “Tu és o Messias, o Filho do Deus vivo”. Respondendo, Jesus lhe disse: “Feliz és tu, Simão, filho de Jonas, porque não foi um ser humano que te revelou isso, mas o meu Pai que está no céu. Por isso eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra construirei a minha Igreja, e o poder do inferno nunca poderá vencê-la. Eu te darei as chaves do Reino dos Céus: tudo o que tu ligares na terra será ligado nos céus; tudo o que tu desligares na terra será desligado nos céus”.
  Palavra da Salvação.
 

Mt 16, 13-20 - “E vocês, quem dizem que eu sou?”

O texto é a versão mateana da profissão de fé de Pedro, que Marcos (Mc 8, 27-35) coloca como pivô de todo o seu evangelho.  Este trecho levanta as duas perguntas fundamentais de todos os evangelhos: quem é Jesus? O que é ser discípulo/a dele?  São duas perguntas interligadas, pois a segunda resposta depende muito da primeira.

A minha visão de Jesus determinará a maneira do meu seguimento dele. Como refletimos domingo passado sobre a versão lucana desse texto (Lc 9, 18-24), remetemo-nos à aquela reflexão e aqui somente assinalaremos alguns poucos pontos a mais, já levando e conta o que foi escrito para dia 26 de junho. Depois de Jesus interrogar duas vezes os discípulos, o texto de Mateus acrescenta vv. 17-19, pois quer destacar o papel de Pedro (e, por conseguinte, dos líderes da sua própria comunidade), na função de ligar e desligar da comunidade, que nos Evangelhos somente aqui e em Cap. 18 é chamada de “Igreja”.  “As chaves do Reino” não se referem aqui ao poder de perdoar pecados, mas de integrar e desligar pessoas da comunidade dos discípulos.
O fundamento, o alicerce, a pedra fundamental dessa comunidade é o conteúdo da profissão de Pedro “Tu és o Messsias, o Filho de Deus vivo”.  Continuam no ar as duas perguntas que são o cerne do Evangelho: “Quem é Jesus?”, e “o que significa segui-lo?” pois os termos que Pedro usa são ambíguos, porque cada um os interpreta conforme a sua cabeça.  Por isso, Jesus toma uma atitude aparentemente estranha: “Ele ordenou os discípulos que não dissessem a ninguém que ele era o Messias!”
Que coisa esquisita!  Jesus proíbe que se fale a verdade sobre ele!  Como é que ele espera atrair discípulos deste jeito?  O assunto merece mais atenção.
Realmente Pedro acertou em termos de teologia, de “ortodoxia”, conforme diríamos hoje.  Ele usou o termo certo para descrever Jesus.  Mas Jesus quer esclarecer o que significa ser “O Messias de Deus”.  Pois cada um pode entender este termo conforme os seus desejos.  Jesus quer deixar bem claro que ser “messias” para ele é ser o “Servo do Senhor”. É vivenciar o projeto do Pai, que necessariamente vai levá-lo a um choque com as autoridades políticas, religiosas, e econômicas, enfim, com a classe dominante do seu tempo, e não o Messias nacionalista e triunfalista das expectativas de então.  Pedro teve que aprender essa exigência do discipulado, de uma maneira lenta e dolorosa, passando até pela negação de Jesus na noite da sua prisão.  Aprendeu tão bem que chegou a dar a sua vida como mártir, também morrendo, conforme a tradição, em uma cruz, no Circo de Nero em Roma, onde atualmente se localiza a Basílica que traz o seu nome. Aprendeu a duras penas ser discípulo de verdade e cumprir a missão que recebeu de Jesus na Última Ceia: “Eu rezei por você, para que a sua fé não desfaleça.  E você, quando tiver voltado para mim, fortaleça os seus irmãos”(Lc 22,32).  Aqui temos o essencial do ministério petrino, continuado no Papa – confirmar e fortalecer a fé dos irmãos e irmãs.  A Igreja sempre deve zelar que acréscimos históricos, mais adequados a monarcas do que a discípulos, não escondem essa missão essencial.
Hoje de maneira especial devemos rezar pelo nosso querido Papa Francisco, que continua essa missão petrina, testemunhando à Igreja e ao mundo a misericórdia de Deus, e a missão da Igreja de ser também uma Igreja Serva, seguindo o exemplo do Mestre.  Por isso, como o próprio Senhor, enfrenta grave oposição dentro e fora da comunidade eclesial, quando ele desafia a todos a seguir o exemplo de Jesus e doar a vida em favor de um mundo fraterno e justo.  Os detentores do “poder-dominação” nunca aceitam uma visão do “poder-serviço” que Jesus pregou e que o Papa Francisco encarna.
Paulo, que durante os seus primeiros anos da vida adulta perseguia os discípulos, também teve a graça da conversão, chegando a afirmar que não queria saber nada a não ser Jesus Cristo e Jesus Cristo Crucificado!!! (I Cor 1,2).  Ele também pagou com a sua vida essa decisão pelo discipulado.
No nosso tempo, quando é moda apresentar um Jesus “light”, sem exigências, sem paixão, sem Cruz, sem compromisso com a transformação social, o texto nos desafia para que clarifiquemos em que Jesus acreditamos.  O Jesus quebra-galho, que existe para resolver os meus problemas pessoais, tão propagado por setores da mídia e por diversos movimentos e pregadores, ou o Jesus bíblico, o Servo do Senhor, que veio para dar a vida em favor de todos? Como sucessor de Pedro, o Papa Francisco nos demonstra em palavras e gestos que seguir Jesus exige opções reais em favor dos que mais sofrem.  Que a celebração de hoje não seja de um triunfalismo sectário anacrônico, mas de uma renovação do nosso compromisso como discípulos-missionários de Jesus de Nazaré, ao exemplo de Pedro e Paulo.

+Tomaz Hughes SVD

Retiro espiritual dos Leigos e Leigas Verbitas em Vista Alegre do Alto - SP (04/08/2019)

12-08-2019 Notícias da congregação

     Aconteceu no dia 04 de agosto de 2019, em Vista Alegre do Alto, diocese de Jaboticabal, SP, o retiro espiritual para um grupo de Leigas e Leigos da região, com a presença de cerca de cinquenta pessoas. O retiro foi organizado pelo Pe. Clemens Naben, SVD - responsável pela animação missionária da província BRC – e também pelas Madrinhas...

Leia Mais

Assembleia dos Formadores da Zona Panam - Equador/Quito (17-24/07/2019)

31-07-2019 Notícias da congregação

Nos dias 17-24 de julho, em Quito no Equador, aconteceu a Assembleia dos Formadores da Zona Panam. O tema principal da assembleia era: UMA VISÃO SISTEMÁTICA E RELACIONAL DA FORMAÇÃO MISSIONÁRIA. Participaram um total de 22 formadores de várias etapas da formação na Zona Panam (Duas Américas). O Brasil foi representado por 11 formadores, quatro da Província Brasil Centro (BRC)...

Leia Mais

Congresso dos Estudantes da Subzona Brasil em Santa Isabel (04-07/07/2019)

31-07-2019 Notícias da congregação

Nos dias 04-07 de julho, em Santa Isabel no Espírito Santo, antes do Congresso dos Leigos e Leigas Verbitas, aconteceu o Congresso dos Estudantes da Subzona Brasil, no qual participaram os estudantes de todas as etapas e alguns vocacionados das Províncias BRS, BRC, BRN (aprox. 30 pessoas). Somente os noviços não participaram, pois naquela época estavam fazendo o grande retiro...

Leia Mais