6º DOMINGO DA PÁSCOA - "Morada de Deus"

1ª Leitura: Atos 15,1-2.22-29

     Salmo Responsorial: Sl 66,2-3.5.6.8 (R. 4)

2ª Leitura: Ap 21,10-14.22-23

EVANGELHO: Jo 14,23-29 - "Não se perturbe nem se intimide o vosso coração."

+ Proclamação do evangelho de Jesus Cristo segundo João
Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: 'Se alguém me ama, guardará a minha palavra, e o meu Pai o amará, e nós viremos e faremos nele a nossa morada. Quem não me ama, não guarda a minha palavra. E a palavra que escutais não é minha, mas do Pai que me enviou. Isso é o que vos disse enquanto estava convosco. Mas o Defensor, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, ele vos ensinará tudo e vos recordará tudo o que eu vos tenho dito. Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; mas não a dou como o mundo. Não se perturbe nem se intimide o vosso coração. Ouvistes que eu vos disse: 'Vou, mas voltarei a vós`. Se me amásseis, ficaríeis alegres porque vou para o Pai, pois o Pai é maior do que eu. Disse-vos isto, agora, antes que aconteça, para que, quando acontecer, vós acrediteis.' Palavra da Salvação.
 
 

Jo 14, 23-29 - “Eu lhes dou a minha paz”
A porta de entrada do texto é o versículo anterior, onde Judas, não o Iscariotes, pergunta a Jesus durante a Última Ceia, “porque vais manifestar-se a nós e não ao mundo?”(v. 22).  Jesus dá a resposta – o Pai vem morar no cristão que guarda a sua palavra, pois as suas palavras são as do Pai.  O mundo (aqui entendido como o anti-reino, não o mundo físico) não ama a Deus.  A presença de Deus só pode ser experimentada por quem que o ama. 

Não é possível amar a Deus sem guardar a sua palavra. Versículo 26 traz a segunda predição no Último Discurso da vinda do Paráclito (veja Jo 14,15).  Aqui se focaliza mais o seu papel de ensinamento, um ensinamento que clarificará o que Jesus ensinou.  Ele vai fazer com que os discípulos “lembrem” tudo o que Jesus disse.  Aqui “lembrar” significa a capacidade de entender o verdadeiro sentido das palavras e ações de Jesus, depois da Ressurreição (2,22; 12,16).  O Espírito Santo, aqui descrito como Paráclito (no sistema judicial grego, o Paráclito era o advogado da defesa), não trará ensinamento que seja independente da revelação de Jesus.  Ele vai preservar os discípulos de erro e guardá-los perto de Jesus. Com este dom, Jesus deixa com a sua comunidade a sua paz.  Ele usa a palavra tradicional dos judeus para a paz, “Shalom”.  É uma paz baseada na vinda do Espírito, que será atualizada na noite de Páscoa quando dirá “A paz esteja com vocês!  Recebam o espírita Santo” (Jo 20, 21-22).  Enfatiza que não é a paz como o mundo a entende – muitas vezes simplesmente como a ausência de briga.  Frequentemente a paz que o mundo dá é aquela falsa, que depende da força das armas para reprimir as legitimas aspirações do povo sofrido – como tantos países experimentaram, ou ainda experimentam, durante as ditaduras de direita e da esquerda.  O “shalom” é tudo o que o Pai quer para o seu povo.  Só existe quando reina o projeto de vida de Deus.  Implica a satisfação de todas as necessidades básicas da pessoa humana, da libertação da humanidade do pecado e das suas conseqüências. O “shalom” dos discípulos não pode ser perturbado pelo fato da partida de Jesus, pois é através da volta do Filho para o Pai que o Shalom via se instalar.
O “shalôm”, a verdadeira paz, é um dom de Deus.  Mas precisa da colaboração humana!  Diante de tantas barbaridades hoje, de tanta violência no campo e na cidade, da exploração do latifúndio, da impunidade, da corrupção quase endêmica, qual deve ser a atitude do cristão?  Se nós acreditamos no shalôm, nunca podemos compactuar com sistemas repressivos ou elitistas que tiram da maioria (ou da minoria) os direitos básicos que pertencem a todos os filhos/as de Deus.  Às vezes este shalom convive ao lado do sofrimento e perseguição por causa do Reino, mas quem experimenta na intimidade a presença da Trindade, também experimenta a verdade da frase do texto de hoje, "não fiquem perturbados, nem tenham medo” (v 27), pois disse Jesus, “eu venci o mundo”.  Por isso devemos sempre “fazer a memória de Jesus” (aqui destaca-se o momento privilegiado da celebração eucarística) - da sua pessoa e do seu projeto, para que tenhamos critérios certos para verificar a presença – ou ausência - do “shalom” na nossa sociedade e nos mprometermos com a criação do mundo mais justo que Deus quer.

+Tomaz Hughes SVD

 

Mais uma Missão da Juventude Verbita para acontecer

17-06-2019 Notícias da congregação

Está pronta para acontecer logo mais uma Missão da Juventude Verbita, a 5ª edição. Será realizada nos próximos dias 29-30 de junho na Paróquia Nossa Senhora de Fátima na Vila das Belezas. Vão participar os jovens de várias paróquias verbitas da capital e do interior, onde o Verbo Divino tem suas paróquias. O tema dessa edição será: "TAMBÉM SOU TEU POVO...

Leia Mais

Festa do Senhor Bom Jesus de Iguape 2019 (28/07-06/08)

17-06-2019 Notícias da congregação

Esta se aproximando mais uma festa do Senhor Bom Jesus de Iguape. E aqui lhe apresentamos a PROGRAMAÇÃO  Novena e da Festa deste ano.

Leia Mais

Workshop da VIVAT Brasil em São Paulo

17-06-2019 Notícias da congregação

Nos dias 29-30 de maio de 2019, no Convento das Irmãs Servas do Espírito Santo (SSpS), em São Paulo aconteceu encontro da Vivat Brasil que abrange várias congregações religiosas, engajadas na luta pela justiça social. A Província Brasil Centro foi representada pelos padres: Arlindo, João Batista (provincial), Omir (tradutor) e irmãos: Domingo e Jairo (Jupic). Mensagem Final do Workshop da VIVAT Brasil: Nós...

Leia Mais