Jo 2,1-11 “Façam tudo o que ele lhes disser”

A primeira parte do Quarto Evangelho é comumente chamada “O Livro dos Sinais”, pois o evangelista relata uma série de sete sinais que, passo por passo, revelam quem é Jesus, e qual é a Sua missão. Embora algumas bíblias traduzem o termo grego que João usa por “milagre”, a tradução mais acertada é “Sinal”. O primeiro desses sinais aconteceu no contexto das bodas de Caná, o texto de hoje. Como todo o Evangelho de João, o relato está carregado de simbolismo, onde pessoas, números e eventos funcionam simbolicamente, para nos levar além da aparência das coisas, numa caminhada de descoberta sobre a pessoa de Jesus. Um dos temas centrais do quarto evangelho é o da “hora” de Jesus. A “hora” não se refere à cronometria, mas a hora de glorificação de Jesus por sua morte e ressurreição. Em resposta ao pedido feito por sua mãe - João nunca se refere a ela pelo nome, mas pelo título “mulher”. Usando de uma maneira até estranha este termo para a sua mãe, João quer indicar que Jesus rejeita uma esfera meramente humana de ação para Maria, para reservar para ela um papel muito mais rico, ou seja, o da mãe dos seus discípulos.

Maria somente vai aparecer mais uma vez neste Evangelho - ao pé da cruz, onde ela e o Discípulo Amado assumem um relacionamento de Filho e Mãe. Devemos lembrar que o Discípulo Amado simboliza a comunidade dos discípulos do Senhor, ou seja, nós hoje. Apesar da nossa tradição piedosa mariana é importante não reduzir a ação da Maria no texto à de uma incomparável intercessora. Embora seja comum esta interpretação na devoção popular, não se sustenta do ponto de vista exegético. É melhor ver Maria aqui como discípula exemplar, pois embora a resposta de Jesus indique um distanciamento entre a Sua expectativa e a visão d’Ele, ela continua com confiança n’Ele e leva outros a acreditar n’Ele. O simbolismo da água tornada vinho é também importante. Não era qualquer água - era a água da purificação dos judeus. Com essa história, João quer mostrar que doravante os ritos judaicos de purificação estão superados, pois a verdadeira purificação vem através de Jesus. Podemos entender isso como a mudança de uma prática religiosa baseada no medo do pecado, uma prática que excluía muita gente, para uma nova relação entre Deus e a humanidade, a partir de Jesus. Assim, em Caná, Jesus começa a substituir as práticas do judaísmo do Templo, algo que vai continuar ao longo do Evangelho de João.  A quantia do vinho chama a atenção - 600 litros! O vinho em abundância era símbolo dos tempos messiânicos, e, na tradição rabínica, a chegada do Messias seria marcada por uma colheita abundante de uvas. Assim João quer dizer que a expectativa messiânica se realiza em Jesus. As talhas transbordantes simbolizam a graça abundante que Jesus traz. A figura do mestre-sala é também simbólica, bem como os serventes. Aquele, que devia saber a origem do vinho da festa, não sabia, enquanto estes, sim. Assim, o mestre-sala representa os chefes do Templo que não sabiam a origem de Jesus enquanto os servos representam os discípulos que acreditaram n’Ele. Fazendo comparação entre o vinho antigo e o novo, João quer reconhecer que a Antiga Aliança era boa, mas a Nova a superou. Os ritos e práticas judaicos, ligados à purificação e ao sacrifício, não têm mais sentido, pois uma nova era de relacionamento entre a humanidade e Deus começou em Jesus. O ponto culminante do relato está em v. 11: “Foi em Caná que Jesus começou os seus sinais, e os seus discípulos acreditaram n’Ele”. A fé deles não é intelectual ou teórica, mas o seguimento concreto do Mestre, na formação de novos relacionamentos de amor. Passo por passo, o autor vai revelando Jesus através de sinais para que nós, os leitores, possamos “acreditar que Jesus é o Messias, o Filho de Deus. E para que, acreditando, tenhamos a vida em seu nome” (Jo 20, 31).

+ Pe. Tomaz Hughes SVD

Retiro espiritual dos Leigos e Leigas Verbitas em Vista Alegre do Alto - SP (04/08/2019)

12-08-2019 Notícias da congregação

     Aconteceu no dia 04 de agosto de 2019, em Vista Alegre do Alto, diocese de Jaboticabal, SP, o retiro espiritual para um grupo de Leigas e Leigos da região, com a presença de cerca de cinquenta pessoas. O retiro foi organizado pelo Pe. Clemens Naben, SVD - responsável pela animação missionária da província BRC – e também pelas Madrinhas...

Leia Mais

Assembleia dos Formadores da Zona Panam - Equador/Quito (17-24/07/2019)

31-07-2019 Notícias da congregação

Nos dias 17-24 de julho, em Quito no Equador, aconteceu a Assembleia dos Formadores da Zona Panam. O tema principal da assembleia era: UMA VISÃO SISTEMÁTICA E RELACIONAL DA FORMAÇÃO MISSIONÁRIA. Participaram um total de 22 formadores de várias etapas da formação na Zona Panam (Duas Américas). O Brasil foi representado por 11 formadores, quatro da Província Brasil Centro (BRC)...

Leia Mais

Congresso dos Estudantes da Subzona Brasil em Santa Isabel (04-07/07/2019)

31-07-2019 Notícias da congregação

Nos dias 04-07 de julho, em Santa Isabel no Espírito Santo, antes do Congresso dos Leigos e Leigas Verbitas, aconteceu o Congresso dos Estudantes da Subzona Brasil, no qual participaram os estudantes de todas as etapas e alguns vocacionados das Províncias BRS, BRC, BRN (aprox. 30 pessoas). Somente os noviços não participaram, pois naquela época estavam fazendo o grande retiro...

Leia Mais