Lucas 2, 41-52

            Na Igreja Católica, hoje é celebrada a festa da Sagrada Família. Portanto, o trecho de Lucas põe em relevo os três membros da família de Nazaré, - mas tem como o seu tema principal, um ensinamento sobre quem é Jesus, a sua relação ao Pai e à sua família humana. A história começa enfatizando a identidade da família humana de Jesus como judeus piedosos. Os regulamentos sobre as peregrinações ao Templo de Jerusalém, para a festa de páscoa, se encontram em Ex 23,17;34.23; Lev 23,4-14. Como consequencia, entendemos que o ambiente em que Jesus cresceu - e em que descobriu a sua vocação e missão - é aquele dos “pobres de Javé”, os devotos que esperavam a libertação de Israel, através da vinda do Messias davídico prometido. Esta viagem prefigura a grande viagem de Jesus à Jerusalém em Lc 9,51 - 19,27, que ela fará com os seus discípulos, e onde ele revelará por palavras e ações o seu relacionamento com o Pai - prefigurado aqui no versículo 49. O texto salienta certas atitudes de Jesus. É bom prestar bem atenção aos verbos.   Lucas diz que Jesus estava no templo entre os doutores :“escutando e fazendo perguntas.” ( v. 46).   A atitude de Jesus é a de um aluno muito inteligente, e não de um mestre - ele não está “ensinando no Templo”, como muitas vezes dizemos em nossas tradições.

Aqui Lucas antecipa para os doze anos o que realmente ocorrerá mais tarde, quando Jesus realmente ensina no Templo e sofre a rejeição e a perseguição por parte dos doutores de Lei e Sumos Sacerdotes.

            O ponto central do texto se acha em versículo 49: “Porque me procuravam? Não sabiam que eu devo estar na casa do meu Pai?”

            Aqui Lucas relata as primeiras palavras de Jesus no seu Evangelho. Agora não é Gabriel, nem Zacarias, nem Maria quem diz quem é Jesus, mas ele mesmo. A palavra que nos traduzimos como “devo”, em grego “dei”, transmite o tema de “necessidade”, que aparece no Evangelho 18 vezes e nos Atos dos Apóstolos 22 vezes, e “expressa um senso de compulsão divina, frequentemente visto como obediência à uma ordem da escritura ou profecia, ou na conformidade de eventos com a vontade de Deus. Aqui a necessidade consiste no relacionamento inerente de Jesus a Deus, que exige obediência.” (Marshall - “The Gospel of Luke”)

            Em versículo 50, fica claro que os seus pais não entenderam que o seu relacionamento com o Pai celeste tomava precedência sobre a sua relação com eles: “Eles não compreenderam o que o menino acabava de lhes dizer.”

            A “espada”- a dor de sentir este distanciamento sem poder compreendê-lo e da que falou Simeão em 2,35 - já começa a aparecer. Maria não compreende plenamente - retomando o tema de v. 19 - e tem que continuar a sua caminhada de fé, meditando sobre o sentido e identidade do seu filho. Fato encorajador para nós. Quantas vezes acontecem coisas nas nossas vidas que não compreendemos, e nelas nem conseguimos ver a vontade de Deus. Ao exemplo de Maria e José, aceitemos esta escuridão, continuemos a caminhada, mas nunca deixemos, com atitude de oração de contemplação, de “conservar no nosso coração todas essas coisas”

+ Pe. Tomaz Hughes SVD

Mais uma Missão da Juventude Verbita para acontecer

17-06-2019 Notícias da congregação

Está pronta para acontecer logo mais uma Missão da Juventude Verbita, a 5ª edição. Será realizada nos próximos dias 29-30 de junho na Paróquia Nossa Senhora de Fátima na Vila das Belezas. Vão participar os jovens de várias paróquias verbitas da capital e do interior, onde o Verbo Divino tem suas paróquias. O tema dessa edição será: "TAMBÉM SOU TEU POVO...

Leia Mais

Festa do Senhor Bom Jesus de Iguape 2019 (28/07-06/08)

17-06-2019 Notícias da congregação

Esta se aproximando mais uma festa do Senhor Bom Jesus de Iguape. E aqui lhe apresentamos a PROGRAMAÇÃO  Novena e da Festa deste ano.

Leia Mais

Workshop da VIVAT Brasil em São Paulo

17-06-2019 Notícias da congregação

Nos dias 29-30 de maio de 2019, no Convento das Irmãs Servas do Espírito Santo (SSpS), em São Paulo aconteceu encontro da Vivat Brasil que abrange várias congregações religiosas, engajadas na luta pela justiça social. A Província Brasil Centro foi representada pelos padres: Arlindo, João Batista (provincial), Omir (tradutor) e irmãos: Domingo e Jairo (Jupic). Mensagem Final do Workshop da VIVAT Brasil: Nós...

Leia Mais