Jo 18, 33b-37

“Todo aquele que é da verdade, escuta a minha voz”

Na Igreja Católica, hoje, último domingo do Ano Litúrgico, celebra-se a festa de Nosso Senhor Jesus Cristo, Rei do Universo. A festa foi estabelecida na época dos governos totalitários nazistas, fascistas e comunistas, nos anos antes da Segunda Guerra, para enfatizar que o único poder absoluto é de Deus. Nos dias de hoje, em que milhões padecem as consequências de um novo tipo de totalitarismo disfarçado, o do poder econômico inescrupuloso, torna-se atual a inspiração original da festa – que Deus é o único Absoluto. Em um mundo que não ateu mas idolátrico, pois presta culto ao lucro, a festa de hoje nos desafia para que revejamos as nossas atitudes e ações concretas – para descobrir o que é para nós, na verdade, o valor absoluto das nossas vidas. O texto é tirado da paixão segundo João – o diálogo entre Jesus e Pilatos sobre a verdadeira identidade de Jesus. Com a ironia que lhe é típico, João faz com que Pilatos – o representante do poder absoluto da época, o Império Romano - apresenta Jesus como Rei, o que ele é na verdade, mas não da maneira que Pilatos pudesse entender.

O Reino de Jesus é o oposto do Reino do Império Romano – não é opressor, nem injusto, nem idolátrico, mas o Reino da justiça, fraternidade, solidariedade e partilha, o Reino do Deus da Vida.

É exatamente por pregar e semear este Reino que Jesus deve morrer – aliás não morrer mas ser matado, o que é diferente. Pilatos demonstra isso quando ele deixa claro quem entregou Jesus, pedindo a sua morte. Não foi o povo, mas os sumos sacerdotes que o entregaram (v. 35). É importante entender o que isso significa, pois se Jesus foi matado, houve algum motivo e houve alguém que o matasse. Os sumos sacerdotes eram, no tempo de Jesus, todos nomeados pelos romanos, dentro do partido dos saduceus, o partido da elite jerosalemita, donos de terras e do comércio, e chefes do Templo. O Templo funcionava como “Banco Central”, centro de arrecadação de impostos e lugar de câmbio monetário, uma vez que não se aceitava nele a moeda corrente. Jesus, portanto, foi assassinado pelo poder político, econômico e religioso, coniventes com o poder imperialista, representado por Pilatos. Pois o Reino de Deus se opõe frontalmente a qualquer reino opressor, como era o de Roma.

            A realidade vivida por Jesus continua hoje. O seguimento de Jesus, na construção dum Reino de justiça e paz, do shalôm de Deus, necessariamente vai entrar em conflito com os reinos que dependem da exploração e da injustiça. Normalmente, esses poderes primeiro vão tentar cooptar a igreja, para que, em lugar de ser voz profética diante das injustiças, torne-se porta-voz dos valores desses reinos. E não faltarão incentivos, monetários e outros, para que as igrejas caiem nesta cilada. Por isso, como nos advertiram os textos nos últimos domingos, é necessário que fiquemos sempre vigilantes para verificarmos se a nossa vida prática está mais de acordo com o Reino de Deus ou o reino de Pilatos.

Para João, Jesus provoca a grande crise da história. Diante da verdade, que é Ele, todos têm que se posicionar. Ele, como todo profeta, não causa a divisão, mas desmascara a divisão que existe dentro da sociedade, a divisão entre o bem e o mal, entre um projeto da morte e um projeto da vida, uma divisão que permeia todos os elementos da sociedade. Diante dele, não há lugar para meio-termo - todos têm que optar. Por isso, a nossa festa de hoje, longe de ser algo triunfalista, nos desafia para que façamos um exame de consciência – tanto individual como eclesial e comunitário - para verificar se o nosso Rei é realmente Jesus, ou se, mesmo duma maneira disfarçada, continua sendo Pilatos!

+ Pe. Tomaz Hughes SVD

Mensagem do Papa Francisco para a Quaresma 2019

05-03-2019 Notícias da Igreja

Quaresma 2019: converter-nos para fazer da criação um jardim, não um deserto A criação clama pela conversão dos filhos de Deus, escreve o Papa Francisco em sua mensagem para a Quaresma 2019. Bianca Fraccalvieri – Cidade do Vaticano O tema da criação inspirou a mensagem do Papa Francisco para a Quaresma de 2019. O texto foi divulgado esta terça-feira (26/02) na Sala de Imprensa...

Leia Mais

Jubileu de 50 anos da Paróquia verbita N. Sra. de Fátima - Vila das Belezas (São Paulo)

28-02-2019 Notícias da congregação

No dia 24/02/2019 foi celebrada a missa para agradecer, louvar e bendizer a Deus pelos 50 anos da Paróquia Nossa Senhora de Fátima na Vila da Belezas em São Paulo. A Igreja é formada por todos nós e pelas comunidades que a compõem: Nossa Senhora de Fátima, São Francisco de Assis, São Roque, Santa Rita de Cássia e São João...

Leia Mais

Jubileu de 50 anos da Paróquia verbita N. Sra. Aparecida - Jd. Miriam (São Paulo)

28-02-2019 Notícias da congregação

50 ANOS DE CAMINHADA COM A PROTEÇÃO DA MÃE APARECIDA A Paróquia Nossa Senhora Aparecida, fundada em 24 de fevereiro de 1969, completou 50 anos de caminhada. Em 1986 chegaram os missionários da Congregação do Verbo Divino para trabalhar junto ao povo do bairro. São mais de 30 anos trabalhando nesta Paróquia. Atualmente a Paróquia tem sete comunidades (Com. Sto. Antonio, Com...

Leia Mais